A Importância do acompanhamento multidisciplinar em pacientes candidatos à cirurgia bariátrica.
+

Nutricionista

A obesidade é um desvio nutricional que atualmente pode ser considerada um problema de saúde pública e está crescendo exponencialmente no Brasil e no mundo. Dados de 2005, da Organização Mundial da Saúde, 1,6 bilhões de pessoas acima dos 15 anos foram classificadas com sobrepeso e 400 milhões estavam obesas. No Brasil, inquérito recente realizado nas capitais identificou que 43% da população adulta apresenta excesso de peso e 11,4% obesidade. Dentre os diversos tratamentos para a obesidade, a cirurgia bariátrica tem sido muito utilizada por ser eficaz contra o excesso de peso e comorbidades associadas.

 

Estudos mostram que, além dos benefícios proporcionados por esse tipo de intervenção, a cirurgia bariátrica também pode acarretar complicações, entre elas, deficiências nutricionais e síndrome de dumping. Com o acompanhamento nutricional pré-operatório é possível realizar avaliação e educação nutricional, corrigir possíveis desvios de comportamento alimentar e fornecer cuidados necessários ao paciente em longo prazo, minimizando assim os riscos dessas complicações.

 

O aconselhamento nutricional no período pré-operatório tem como finalidades promover a perda de peso inicial (em torno de 10%) com intuito de diminuir os riscos cirúrgicos; identificar erros e transtornos alimentares; promover expectativas reais de perda de peso e; preparar o paciente para a alimentação no pós-operatório, tornando-se imprescindível a atuação do nutricionista como membro da equipe multidisciplinar.

 

O tratamento nutricional deve ser iniciado antes da cirurgia. O tempo de contato entre o paciente e o nutricionista varia de pessoa para pessoa e deve ser suficiente para concretizar o trabalho de esclarecimento das evoluções dietéticas pelas quais o paciente irá passar, principalmente no pós-operatório, evitando assim constrangimentos e complicações posteriores à cirurgia.

 

O nutricionista que numa equipe de cirurgia bariátrica deve proporcionar ao acidente uma avaliação nutricional pré-operatória, aplicar uma anamnese completa clínica e alimentar, incluindo aspectos nutricionais comportamentais, qualitativos e quantitativos, promover educação adequada assim como os cuidados em longo prazo. Ele é o profissional que entende as consequências na absorção e as necessidades dietéticas do paciente bariátrico. Ajudar os pacientes a entender esses pontos e ensiná-los como evitar problemas nutricionais com dieta e suplementos pode evitar complicações pós operatórias imediatas e tardias.

 

A avaliação nutricional, com a investigação sobre o que o paciente costuma ingerir é fundamental. Exames de sangue também são importantes para verificar o real estado nutricional. É neste ponto que muitas vezes profissionais são surpreendidos, pois muitos pacientes apresentam-se subnutridos antes de serem submetidos ao procedimento cirúrgico. Pode haver falta de um ou mais micronutrientes. É crucial a reposição desses elementos antes da cirurgia para prevenir complicações futuras que, sim, podem ser previstas e evitadas.

 

É também por meio da avaliação nutricional detalhada no pré-operatório, que são obtidas informações importantes sobre o estilo de vida, hábitos alimentares e estado nutricional do paciente, que são fundamentais para traçar um perfil alimentar e identificar possíveis transtornos futuros.

 

As orientações dietéticas têm como objetivo não somente prevenir complicações pós-cirúrgicas, mas também prevenir e minimizar efeitos colaterais, entre eles: vômitos e “dumping”. O “dumping” é uma mal estar súbito que ocorre quando o indivíduo ingere certos alimentos após a cirurgia de bypass gástrico. O “dumping” resulta da passagem rápida de alimentos da bolsa gástrica para o intestino, principalmente alimentos muito concentrados, gordurosos, e doces, como chocolates e cremes. Devido sua alta osmolaridade estes alimentos causam diarreia, taquicardia, suor excessivo, enjoos e vômitos. Pode ocorrer queda da glicemia após 1 a 2 horas por excesso de liberação de insulina pelo pâncreas, o que pode ser chamado de “dumping” tardio.

 

A perda de peso no pré-operatório é desejável por várias razões. Produz clinicamente importantes melhorias nas doenças associadas à obesidade, o que poderia reduzir consideravelmente as complicações no pós-operatório. Pode também facilitar o procedimento cirúrgico, reduzindo a gordura visceral e o tamanho do fígado. Estudos anteriores sugeriram que o tempo de operação, na técnica bypass gástrico em Y de roux (BPGYR) laparoscópico, pode ser reduzido sensivelmente com uma redução de 5 a 10% do peso no pré-operatório.

 

A perda de peso no pré-operatório é desejável, porém deverá ser  acompanhada por um profissional com experiência em cirurgia bariátrica. Dietas muito rígidas antes da cirurgia, sem a reposição adequada de vitaminas e minerais, podem levar a problemas de cicatrização, por exemplo, aumentando a chance de complicações no pós-operatório.

 

Pacientes superobesos, os que apresentam IMC acima de 50, podem necessitar de uma perda de peso considerada antes da operação propriamente dita, para redução dos riscos anestésicos e cirúrgicos.

 

A presença de um nutricionista dentro de uma equipe multidisciplinar é fundamental no acompanhamento de pacientes bariátricos, tanto no período pré quanto no pós-operatório. Todos os aspectos nutricionais, psicológicos, médicos, físicos e fisioterapêuticos são necessários para ajudar o paciente a ter sucesso com o tratamento cirúrgico para obesidade. A cirurgia bariátrica, independente da técnica utilizada, é apenas uma restrição física e, sozinha, não promove uma mudança real e concreta nos hábitos alimentares e comportamentais do paciente. Para isso é necessário um acompanhamento nutricional efetivo intensivo no pré-operatório para este grupo de pacientes.

 

É importante avaliar cada paciente antes da cirurgia para entender sua característica individual relacionada à alimentação. Trabalhar nesses comportamentos alimentares ou modificá-los antes da cirurgia pode ajudar a melhorar os resultados cirúrgicos. O aconselhamento nutricional no período pré-operatório é realizado para possibilitar o sucesso pós-operatório, promover perda de peso inicial, identificar erros e transtornos alimentares, preparar o paciente para a alimentação no pós-operatório,  estimulando uma atitude adequada de sua alimentação e verificar o potencial do paciente para o sucesso da cirurgia. O paciente deverá estar ciente de todos os processos pelos quais passará e estar preparado nutricionalmente para um melhor suporte físico e emocional. Com orientação profissional adequada, é possível proporcionar ao paciente um emagrecimento saudável, sem desnutrição e sustentável em longo prazo.

 

REFERÊNCIAS

1. Mancini MC, Halpern A. Obesidade – como diagnosticar e tratar. Revista Brasileira de Medicina. 2006; 63(4): 132-143.

2. Lottenberg AMP. Tratamento dietético da obesidade. Rev Einstein 2006; 4(1): 23-8.

3. Cabral MD. Tratamento clínico na obesidade mórbida. In: Garrido AB(Org.), Cirurgia da Obesidade. São Paulo: Atheneu; 2002 . p. 35-44.

4. Negrão RJS. Cirurgia bariátrica: revisão sistemática e cuidados de enfermagem no pós-operatório [dissertação]. São Paulo: Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, Área de Saúde do Adulto,

Programa de Pós- Graduação; 2006.

5. Garrido Jr AB. O papel da cirurgia no tratamento da obesidade. In: Halpern A, editor. Manual de obesidade para o clínico. São Paulo: Roca; 2002. p. 243-60.

6. Francischi RPP, Pereira LO, Freitas CS, Klopfer M, Santos RC, Vieira P, et al. Obesidade: atualização sobre sua etiologia, morbidade e tratamento. Rev. Nutr. 2000; 13(1): 17-28.

7. Gomes GMB. Cirurgia bariátrica: mudanças no padrão alimentar e na qualidade de vida [dissertação]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2007.

8. Puglia CR. Indicações para o tratamento operatório da obesidade mórbida. Rev Assoc Med Bras. 2004; 50(2):118.

9. Viggiano CE. Fome e obesidade: o paradigma nutricional. Nutrição Brasil. 2003; 2:67-68.

10. Cambini MPC, Michels G, Marchesini JB. Aspectos nutricionais e de qualidade de vida em pacientes submetidos à cirurgia bariátrica. Rev Bras de Nutr Clin. 2003; 18(1): 8-15.

11. Rafaelli MCF. A integração de uma equipe multidisciplinar e sua interferência nos resultados. In: Simpósio Latino-Americano Da Ifso. Foz do Iguaçu: Anais..., 2005.

12. Ravelli, MN, Merhi VAL, Mônaco DC, Aranha N. Obesidade, cirurgia bariátrica e implicações nutricionais. Revista Brasileira em Promoção da Saúde – RBPS. 2007; 20(4):259-266.

13. Mancini M, Segal, A. Tudo que você precisa saber antes de reduzir seu estômago. São Paulo: Brasiliense, 2007.

14. Bonazzi CL, Valença MCT, Bononi TCS, Navarro F. A intervenção nutricional no pré e no pós-operatório da cirurgia bariátrica. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. 2007;1(5):

59-69.

 

Texto atribuído ao Departamento de Nutrição, Instituto de Ciências da Saúde, Universidade Paulista,

Campus Brasília - DF. Baseado em Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) sob o tema “A importância

do acompanhamento nutricional de pacientes candidatos à cirurgia bariátrica”, Universidade Paulista,

ano de defesa: 2009; 54 páginas. Não há conflito de interesses.

PARCEIROS